Movimentos de ocupações do sul da Bahia lançam Boletim especial sobre o Ocupa Brasília

15304290_1845073405705772_5371508652569088931_o
Foto: Alex de Almeida

No dia 29 de novembro de 2016, centenas de jovens, estudantes e trabalhadores se dirigiram à Brasília – DF, a partir de caravanas dos quatro cantos do País, para estenderem até o Congresso Nacional as mobilizações e lutas dos movimentos de ocupação das instituições de educação, na tentativa de barrar a PEC 55/2016.
A caravana do eixo Itabuna-Ilhéus preparou um Boletim Especial do #OCUPABRASÍLIA, relatando os acontecimentos desse dia histórico de muita luta por parte da juventude e da classe trabalhadora em defesa dos direitos.


CONFIRA: Boletim #OCUPABRASÍLIA

Prorrogado o prazo para mudança no sistema de consignação do contracheque

O governo Rui Costa publicou no início de dezembro o decreto 17.251/16, que “dispõe sobre o regime de proteção da remuneração e as consignações em folha de pagamento dos servidores públicos”. Portanto, para manter a contribuição sindical e os convênios, os sindicatos precisarão apresentar ao Estado uma autorização expressa das (os) docentes. O prazo final, definido pelo governo, para entrega dos documentos, foi prorrogado por mais 30 (trinta) dias.

Tendo em vista o curto tempo estipulado e a necessidade de organização prévia dos documentos, a ADUSC solicita urgência no preenchimento do documento até o dia 03 de fevereiro de 2017. A entrega deverá ser feita na secretaria do sindicato.

ACESSE AQUI O FORMULÁRIO para preenchimento e assinatura.

A não entrega do referido documento comprovando a filiação do servidor e autorizando expressamente o desconto em folha de pagamento em favor da entidade, implicará na suspensão dos direitos de associado.

Os formulários também estarão disponíveis nas salas dos departamentos da universidade. Após o preenchimento, entregar na sede da ADUSC.

FÓRUM DAS ADS DIVULGA CARTA ABERTA AO POVO BAIANO

11221295_414715992050525_734973011455506511_n

Carta aberta ao povo baiano

O Fórum das AD’s, que reúne as seções sindicais do ANDES/SN nas universidades estaduais baianas – ADUSC, ADUSB, ADUFS e ADUNEB vêm a público repudiar os profundos ataques aos direitos básicos dos trabalhadores e trabalhadoras, conquistados com muita luta. Vivemos uma condensação de crises (político-institucional e econômica) e o interesse da burguesia é resolver seus problemas colocando nas costas da classe trabalhadora a conta de sua incompetência.
No final do ano de 2016, em meio a violenta repressão aos milhares de trabalhadores, estudantes e professores que foram à Brasília protestar contra as medidas que destroem as políticas públicas e os direitos básicos da população, o ilegítimo e corrupto governo Temer, apoiado pela grande mídia, aprovou a PEC 55. Com essa aprovação a educação, saúde, previdência e todos os serviços básicos para a população estão sob risco de entrarem em colapso. Os senadores baianos Otto Alencar (PSD) e Roberto Muniz (PP) – que é suplente de Valter Pinheiro – votaram favoráveis ao desmonte dos serviços públicos.
Numa medida absurda, mais uma vez o governo Temer quer acabar com a previdência social através da PEC 287, que significará o fim do Regime Próprio de Previdência dos Servidores Públicos, a equiparação dos anos trabalhados entre homens e mulheres, abrindo ainda mais lucros para os bancos e fundo de previdências privados. Esse mesmo desgoverno, também quer acabar com os avanços na educação. Para isso, alterou a estrutura do Ensino Médio, enviando uma Medida Provisória (MP 746/2016) ao congresso, às pressas, sem uma ampla discussão com a sociedade. O projeto já foi aprovado na Câmara Federal, na prática vai acabar com a educação dos nossos jovens e adolescentes. O MEC quer acabar com a obrigatoriedade das disciplinas de História, Geografia, Sociologia, Filosofia, Artes, Educação Física, e ainda como única opção de língua estrangeira o inglês. Isto é uma medida para oferecer mão de obra barata aos empresários.
No estado da Bahia, o governo RUI COSTA (PT) vem perseguindo os servidores públicos, tratando-os como “bodes expiatórios” das políticas de desajuste fiscal no estado. Foi assim que em janeiro de 2015 acabou com a aposentadoria integral dos servidores públicos, limitou as pensões, aumentou os valores de contribuição dos servidores ao PLANSERV e reduziu a contrapartida do governo do estado para 4 % sobre a folha de pagamento. Os funcionários que ingressaram no serviço público da Bahia após 29 de julho de 2016, quando o Regime de Previdência complementar foi regulamentado (PREVBAHIA), terão  como teto da aposentadoria o limite previsto pelo INSS. Isso significa que após anos de trabalho servindo à população baiana, os aposentados e pensionistas terão os seus rendimentos reduzidos quando mais precisarão de assistência médica e cuidados.
Para fazer caixa, o governo do estado cortou arbitrariamente o adicional de insalubridade de 850 professores e professoras das universidades estaduais baianas. Em 2016, sequer concedeu reajuste parcelado aos salários dos servidores para recompor as perdas inflacionárias do período 2015-2016, que já chegam a 17,65 do IPCA. E agora ameaça aumentar a contribuição previdenciária dos servidores públicos, em mais uma ação de confisco de salarial.
Diante desse quadro temos muitos desafios. Temos que impedir as contrarreformas da Previdência e Trabalhista que já estão na pauta do Congresso Nacional. Num momento de recessão econômica, criminalização dos movimentos sociais, ataques aos direitos, o governo federal quer beneficiar os empresários, tentando retirar a jornada de 44 horas semanais e oito horas diárias, o 13.o salário, férias com adicional de 1/3, descanso semanal remunerado, fim do pagamento de horas-extras em dobro.
Precisamos lutar de forma unificada contra todas as medidas, em âmbito estadual e federal, que retiram direitos trabalhistas, sociais e políticos: pela construção da greve geral e pelo fim dos ataques aos serviços públicos.
Diante da necessidade de garantir direitos já conquistados e fazê-los avançar, o Fórum das ADs já protocolou a pauta de reivindicações [email protected] docentes das Universidades Estaduais da Bahia:
1. POR 7 % DA R.L.I. (Receita Líquida de Impostos) PARA AS UNIVERSIDADES ESTADUAIS;
2. REPOSIÇÃO INTEGRAL DA INFLAÇÃO 2015-2016 NUMA ÚNICA PARCELA COM BASE NO IPCA, PARA OS SERVIDORES PÚBLICOS DO ESTADO DA BAHIA;
3. POR REAJUSTE DE 11 % PARA GARANTIR A POLÍTICA DE RECUPERAÇÃO SALARIAL D[email protected] [email protected] DAS UNIVERSIDADES ESTADUAIS;
4. CUMPRIMENTO DOS DIREITOS TRABALHISTAS: PROMOÇÃO, PROGRESSÃO, ADICIONAL DE INSALUBRIDADE, MUDANÇA DE REGIME DE TRABALHO, RETORNO DA LICENÇA SABÁTICA, CONFORME O ESTATUTO DO MAGISTÉRIO SUPERIOR (LEI 8.352/2002);
5. AMPLIAÇÃO E DESVINCULAÇÃO DE VAGA/CLASSE DO QUADRO DE CARGOS PERMANENTE DO MAGISTÉRIO PÚBLICO DAS UNIVERSIDADES ESTADUAIS DA BAHIA.

Conselho aprova calendário acadêmico sem interrupção de aulas

1O Conselho Superior de Ensino Pesquisa e Extensão (CONSEPE), reunido na última sexta-feira (06), aprovou a atualização do calendário acadêmico de 2016 sem a interrupção das aulas durante o mês de janeiro. Dessa forma, o semestre 2016.2 segue até o dia 07 de março. Com discussão acalorada, a proposta da reitoria foi aprovada por 41 votos sob 18 votos para proposta de suspensão das aulas no mês de janeiro. 2

A diretoria da ADUSC apresentou à presidência do Conselho uma proposta alternativa ao calendário elaborado pela reitoria, com férias de trinta (30) dias a contar do dia 11 de janeiro. O Presidente do sindicato, Prof. José Luiz, reiterou o posicionamento da categoria docente deliberada em Assembleia, realizada em dezembro último, alegando os transtornos sociais e pedagógicos que sofrem professores e estudantes, quando se trata de desenvolver atividades de ensino-aprendizagem nesse período.

O professor caracterizou a ocupação estudantil da universidade como parte de um ascenso de lutas nacional contra a série de ataques do governo federal sobre o serviço público e os direitos dos trabalhadores; lembrou que a universidade, durante o movimento “OCUPA UESC”, não parou suas atividades, que apenas a graduação interrompeu plenamente o ensino. Também destacou que boa parte dos estudantes da instituição aproveita o mês de janeiro para trabalhar em cidades turísticas, como em Itacaré.

3As defesas da proposta da reitoria apontaram que a interrupção das aulas faria com que o calendário de 2017 se prolongasse até fevereiro de 2018, bem como acarretaria grande transtorno aos estudantes concluintes e que almejam participar de seleções em programas de pós-graduação. Entretanto, os argumentos não consideraram que parte significativa das universidades do país também está rediscutindo seus calendários, uma vez que estiveram ocupadas e/ou com greve docente. Além disso, mesmo que se considere a urgência em regularizar o calendário acadêmico equiparando-o ao calendário civil, problemas, como o atraso de bolsas e falta de transportes das prefeituras das cidades circunvizinhas, contribuirão para risco de desistência do semestre ou abandono de disciplinas.

Com a atualização aprovada, o calendário letivo de 2017 terá seu início em 07 de abril, com o fim do primeiro semestre em 11 de agosto. O segundo semestre de 2017 tem previsão de início em 05 de setembro e de término em 13 de janeiro de 2018.

Reitoria convoca CONSEPE para discussão do calendário acadêmico

IMG_4571A Presidência do CONSEPE da UESC convocou, para a próxima sexta-feira, dia 06, às 08:30, reunião do Conselho Pleno. Como ponto de pauta consta a discussão do calendário acadêmico, para apresentação de propostas de reposição dos dias letivos pós-movimento de ocupação estudantil.

Na última plenária do Conselho, realizada em 14 de dezembro de 2016, o presidente da ADUSC, Prof. José Luiz, defendeu a deliberação da Assembleia docente de suspensão das atividades acadêmicas durante o mês de janeiro de 2017, alegando os transtornos sociais e pedagógicos, que sofrem professores e estudantes, quando se trata de desenvolver atividades de ensino nesse período.

Após o fim do movimento de ocupação, a reitoria publicou nota na qual comunica sobre a retomada imediata do calendário acadêmico vigente, optando por convocar o Conselho Pleno, para atualizar o calendário, após o recesso de final de ano.

A assembleia estudantil do dia 15 de dezembro, que decidiu pela desocupação da universidade, também aprovou a defesa de suspensão das aulas em janeiro, destacando a dificuldade enfrentada por estudantes de outros municípios que dependem do transporte das prefeituras, que são suspensos nesse período do ano.

Rumo à Greve Geral: mobilização contra a PEC 241 cresce em Ilhéus e Itabuna

bannerEstudantes do IFBA ocuparam o campus de Ilhéus nesta sexta-feira (21). Em Itabuna, uma aula pública com o tema “Fora Temer: em defesa da educação pública!” aconteceu no domingo (23). E nesta segunda-feira (24), a mobilização começou cedo na UESC, com café da manhã, debate “O que é a PEC 241? Rumo à Greve Geral!”, e a assembleia estudantil aprovou paralisação e a ocupação da universidade.

Essas são algumas das ações dos movimentos estudantis, sociais e sindicatos sul baiano, para combater a PEC do fim do mundo (PEC 241), defender os serviços públicos e os direitos trabalhistas. Nos dias 25 e 26 de Outubro paralisações e protestos se somam ao calendário nacional, rumo à Greve Geral.

Ocupações

14657460_1041207505991856_7387233995329312523_n
Estudantes ocuparam o campus do IFBA, em Ilhéus.
Barricada do Movimento Estudantil bloqueia a entrada da UESC. Foto: Ascom ADUSC
Barricada do Movimento Estudantil bloqueia a entrada da UESC. Foto: Ascom ADUSC

Pouco a pouco, as mobilizações estão crescendo em Ilhéus e Itabuna, construindo a reação necessária para barrar os graves ataques aos direitos sociais, trabalhistas e políticos, em curso no país. Seguindo o exemplo dos estudantes secundaristas do Paraná, mais de mil escolas, universidades e núcleos regionais já foram ocupados pela juventude. Em Ilhéus, os estudantes ocuparam o campus na sexta-feira (21), e nesta segunda-feira (24) aprovou a paralisação das atividades. A decisão por uma ocupação também foi aprovada em assembleia estudantil da UESC nesta data.

Fora Temer

09Já em Itabuna, o movimento pelo Fora Temer realizou seu primeiro ato junto com o Grito dos Excluídos, no dia 7 de Setembro, e desde então tem promovido reuniões e protestos na cidade. Neste domingo (23), o movimento ocupou a Praça Rio Cachoeira, com intervenções artísticas e uma aula pública ministrada por Daniela Galdino (UNEB), Millena Müller (CEEP) e Phillipe Murilo (IFBA). A atividade reuniu cerca de 200 pessoas e foi encerrada com o Show da banda “Meninas de História”.

ADUSC

03Empenhada na construção da Greve Geral, a ADUSC tem buscado participar ativamente do calendário de mobilização local e nacional, pautando os temas em assembleias e eventos unificados com outros seguimentos. Na terça-feira (18), uma reunião com AFUSC, DCE e outros setores do movimento estudantil definiu uma calendário de mobilização interna. A primeira ação aconteceu hoje com café da manhã a partir das 7 horas e o debate “O que é a PEC 241? Rumo à Greve Geral!”, a partir das 9 horas, no CEU. Na data, o 2º turno da PEC 241, que visa congelar salários, investimentos em saúde, educação e outras áreas, por 20 anos, poderá ser votado.

Nos dias 25 e 26 de Outubro, professores (as) e servidores (as) técnicos paralisarão as atividades na UESC. No dia 25, o protesto será na avenida cinquentenário, e a concentração está marcada para às 8 horas na praça Camacã. No dia 26 o protesto será em Salvador, no Centro Administrativo da Bahia (CAB).

Confira abaixo o calendário de mobilização completo, divulgue e participe:

Programação

25 de outubro

08 h – Ato Público em Itabuna

Concentração na Praça Camacã.

Paralisação de professores (as), servidores (as) técnicos e estudantes das Universidades Estaduais da Bahia.

 26 de outubro

Salvador

Dia de luta em defesa das Universidades Estaduais da Bahia e direitos trabalhistas

Assembleia Legislativa e Secretaria de educação a partir das 9h

Paralisação de professores (as) e servidores (as) técnicos na UESC

*Atualizado em 24/10, às 19 horas.

 

 

CSP-Conlutas lança carta aberta às centrais chamando a construção da Greve Geral

Logo-CSP-Conlutas1A Secretaria Executiva Nacional da CSP-Conlutas aprovou uma carta aberta dirigida a todas centrais sindicais do país. Esta carta faz um chamado à construção de uma mobilização unitária e de uma Greve Geral contra as reformas da Previdência e Trabalhista, a Proposta de Emenda à Constituição 241/2016, que está em trâmite no Congresso Nacional, e o Projeto de Lei da Câmara 54/2016 (ex-PLP 257/2016).  Esses ataques apontam um retrocesso histórico nas conquistas obtidas pelos trabalhadores brasileiros.

Confira abaixo a carta:
Chamado à construção da Greve Geral contra as Reformas da Previdência e Trabalhista
Dirigimos-nos a todos os trabalhadores e especialmente às direções das centrais sindicais do país, CUT, Força Sindical, UGT, CTB, CSB, CGTB, NCST, Intersindical, mas também a todas organizações do movimento popular e estudantil para que sigamos insistindo em manter todos os TRABALHADORES UNIDOS EM DEFESA DOS DIREITOS SOCIAIS E TRABALHISTAS. É hora de organizarmos uma greve geral contra as reformas da previdência e trabalhista.

O país vive uma imensa crise econômica, social e política. Já são 12 milhões de desempregados, em muitos estados os salários dos servidores está parcelado e o custo de vida aumenta a cada dia.
As Reformas anunciadas pelo governo, o PL 257, bem como a PEC 241, que impõe um limite de investimentos sociais em áreas como saúde e educação, mostram que, mais uma vez, querem jogar a conta da crise econômica nas costas da classe trabalhadora e dos mais pobres. O governo vem defendendo a aplicação de um ajuste econômico que vai implicar em cortes sociais, no rebaixamento do poder aquisitivo e na piora das condições de vida dos mais necessitados; O resultado dessa ofensiva é: Recessão, desemprego, aumento da informalidade, aumento da inflação, e mais ataques aos serviços e servidores públicos.

Os trabalhadores já demonstraram que não aceitam esses ataques e por isso, através do chamado unitário das Centrais Sindicais, já realizaram grandes mobilizações no mês de setembro: Jornada de luta em Brasília, que teve os Servidores Públicos à frente, nos dias 12, 13 e 14; Manifestações nos Estados e regionais no dia 15; Paralisações em nível nacional no dia 22 (com os trabalhadores e trabalhadoras em educação básica à frente) e a expressiva Paralisação Nacional dos metalúrgicos, realizada no dia 29, que também teve a adesão de uma parcela dos trabalhadores da Construção Civil e Petroleiros.

Demonstrando a disposição de nossa classe em lutar contra essa ofensiva aos nossos direitos, precisamos intensificar a unidade e construirmos juntos uma Greve Geral Contra as Reformas da Previdência e Trabalhista!

As reformas da previdência e trabalhista, somada as outras medidas do chamado “ajuste fiscal”, irão atacar a todos os trabalhadores e aumentar o desemprego. Em particular as mulheres e mais os jovens. Só poderemos derrotá-los de forma unificada. Para isso é preciso organizarmos, todos juntos, uma mesma data para convocar uma greve geral no país. É preciso chamar reuniões comuns para organizá-la em todas as bases.

Entre inúmeras outras demandas, queremos melhores condições de trabalho, aposentadoria digna e a redução da jornada de trabalho para 40 horas semanais, sem redução de salário e nenhum direito a menos.

Por essas propostas as centrais sindicais brasileiras, independentemente de outros posicionamentos, devem seguir unidas e manter a luta realizando greves, paralisações, atos, passeatas e manifestações por todo o país. É hora de dar um sentido político comum a essas lutas e parar país. Greve Geral, já!

São Paulo, 10 de outubro de 2016.

Sec. Exec. Nac. da CSP-Conlutas

Fonte: CSP-Conlutas

Secretário descumpre acordo e Fórum das ADs indica Dia de Luta com paralisação e protesto em Salvador

 

Reunião do Fórum das Associações Docentes das UEBA
Reunião do Fórum das Associações Docentes das UEBA

O Fórum das ADs se reuniu na última segunda-feira (10) para avaliar os andamentos das negociações com o governo, discutir a conjuntura e traçar estratégias para barrar a política de desmonte imposta pelo governo às Universidades Estaduais da Bahia (UEBA). Durante a reunião, ocorrida na UESC, os docentes consideraram um desrespeito o teor do e-mail enviado pela SEC em resposta aos encaminhamentos da reunião realizada no dia 26 de Setembro (leia aqui ). No e-mail, o subsecretário da SEC, Nildon Pitombo, descumpre o acordo, adia as respostas à pauta de reivindicação 2016 e é evasivo sobre a insalubridade e a licença sabática.

O Movimento Docente e a SEC voltarão a se reunir na segunda-feira (17). E para pressionar o governo, o Fórum das ADs aprovou a indicação de um dia de luta com paralisações e protesto, em Salvador. A proposta foi apresentada aos representantes dos servidores técnicos e administrativos e aos DCEs na reunião do Fórum das Doze, nesta quinta-feira (13). A proposta também pretende fortalecer a pauta unitária das três categorias, unificando a comunidade acadêmica em defesa das UEBA.

Pauta de reivindicação 2016

A pauta de revindicação docente 2016 foi protocolada em dezembro de 2015 e vem sendo negociada (já aconteceram três reuniões) após 7 meses de silêncio do governo. Os docentes reivindicam 7% da Receita Líquida de Impostos (RLI) para o orçamento das Universidades, reajuste salarial de 15,5%, respeito aos direitos trabalhistas, alteração e desvinculação vaga/classe no quadro docente.

Descumprindo o acordo de apresentar uma resposta formal à pauta, o subsecretario, Nildon Pitombo, alegou que “a resposta à pauta de reivindicação protocolada na própria SEC e na Governadoria não foi construída por razão que aponta para consulta ao relatório global das IEES e à SAEB quanto aos temas constantes no item 3 da pauta, o que passa a exigir um tempo maior nestas análises. Assim, há estimativa de remessa da mencionada resposta até sexta feira da próxima semana”. Para o Fórum das ADs, a resposta é incoerente e se alinha à lógica de ajuste fiscal do governo Temer, que joga sobre os trabalhadores e os serviços públicos a crise dos ricos. Por isso, é necessário ampliar a mobilização, para defender as universidades e os direitos da categoria.

Nesse sentido, além de reafirmar a importância do dia nacional de lutas, com paralisações no dia 25 de Outubro e rumo à greve geral, o Fórum das ADs indicou a realização de um dia estadual de luta (26/10), com paralisação e ato público, em Salvador. A proposta foi apresentada ao Fórum das doze nesta quinta-feira (13). Os docentes propõem que as três categorias protocolem a pauta de reivindicação conjunta a fim de fortalecer a luta unificada em defesa das UEBAs.

Insalubridade

Sobre o tema da insalubridade, a resposta da SEC não expressa o compromisso político da SAEB em dar celeridade ao processo. Apenas informa sobre o andamento dos processos, que só tem caminhado por força do empenho do próprio movimento docente. Uma reunião está agendada com a SAEB também para o dia 17, quando serão discutidos os encaminhamentos da pauta.

A licença sabática, da mesma forma, foi abordada genericamente no e-mail, que não apresenta o anexo do documento enviado a PGE, conforme prometido na reunião do dia 26 de setembro.

Leia abaixo o e-mail na integra.

Fórum das AD das Universidades Estaduais.

Cumpre-me relatar o que segue, quanto às definições da última reunião p.p.:

  1. a)o repasse dos orçamentos será feito na segunda-feira próxima, quando será possível ter o documento que foi entregue aos Reitores e à Reitora da UESC na sua versão revisada pela Diretoria de Orçamento desta Secretaria;
  2. b)quanto a questão da insalubridade, a SAEB informou que há entendimentos entre a própria Secretaria da Administração e a Junta Médica para ações de trabalho focalizadas nos aspectos específicos de cada caso, com reuniões semanais, ressaltando-se que se reiteram as medições para os casos de risco químico, na apreensão dos limites de tolerância; para os casos de risco biológico, aponta-se a necessidade de formalizar os laudos nos termos dos agentes implícitos à NR-15, com necessidade de indicações para os casos já pontuados em súmulas, pareceres, memorandos correlatos aos agentes alergênicos decorrentes do trato com materiais com presença de fungos, ou aerodispersóides, notadamente no campo das operações com corpus da botânica;
  3. c)a SAEB também informou que o andamento dessas reuniões com a Junta Médica tem balanços periódicos sobre o quantitativo de casos em andamento ou a avaliar, em que se sublinha  a dependência dos laudos internos correspondentes a cada caso, oriundos das IEES, na medida certa das categorias dos riscos descritos nas respectivas NR;
  4. d)a resposta à pauta de reivindicações protocoladas na própria SEC e na Governadoria não foi construída por razão que aponta para consulta ao relatório global das IEES e à SAEB quanto aos temas constantes no item 3 da pauta, o que passa a exigir um tempo maior nestas análises. Assim, há estimativa de remessa da mencionada resposta até sexta-feira da próxima semana;
  5. e) por fim, sobre a licença sabática, a Subsecretaria solicitou ao corpo técnico da assessoria do Gabinete um parecer sobre procedimentos técnicos que contornam a sua alteração, à luz do fato de que a suspensão foi feita por lei. A expectativa é que se construa um processo de PL para remessa à Casa Civil, no decorrer de outubro.

Nildon Carlos Santos Pitombo

Subsecretário 

Secretaria da Educação do Estado da Bahia

ITABUNA: Movimento pelo Fora Temer promove reunião no sábado (8)

O Movimento pelo Fora Temer em Itabuna realizará mais uma reunião organizativa neste sábado, 8 de outubro. A reunião acontecerá às 14 horas,  na praça Olinto Leone. Na ultima quarta-feira (5) o movimento promoveu um ato de rua que caminhou desde a praça Camacã, pela cinquentenário, com intervenções artísticas, palavras de ordem e panfletagem. A manifestação teve como tema central a defesa da “Escola Sem Mordaça” e o combate ao “Desmonte do Estado Brasileiro”, representado pela PEC241. A ADUSC esteve presente na atividade que fez parte de mais um dia nacional de mobilizações, paralisações e lutas rumo à Greve Geral. Confira abaixo a convocatória oficial do movimento e acesse aqui as fotos do protesto.

14484694_363110434020874_5628980651736161341_nConfira Continuamos nas ruas, a cada dia fazendo atos mais animados, criativos e corajosos. A luta não pára, e pra cada ataque do golpista precisaremos ter uma reação à altura. Por isso, o caminho é mais organização e coragem.
Neste sábado faremos uma nova reunião para planejar nossos próximos atos e atividades e para aprender uns com os outros. Todos interessados em contribuir estão convidados. A luta segue firme e amanhã vai ser maior!
REUNIÃO DO MOVIMENTO SUL DA BAHIA PELO FORA TEMER
DIA 08/10 (SÁBADO) – PRAÇA OLINTO LEONE (Praça do Bar da Tia e do BB).
Traga a sua energia!

Reunião ampliada dos servidores define calendário de lutas das próximas semanas

Cerca de mil servidores públicos, federais, municipais e estudantes participaram da Reunião Ampliada do Fórum das Entidades Nacionais dos Servidores Públicos Federais (Fonasefe) nesta quarta-feira (14), que ocorreu em uma tenda na Esplanada dos Ministérios, em Brasília (DF), e apontou um calendário de lutas para as próximas semanas. A reunião marcou o encerramento das atividades da Jornada de Lutas em Brasília, que teve início na segunda a noite (12), com uma manifestação em frente ao Congresso Nacional e continuidade na terça (13) com uma grande marcha na Esplanada, que reuniu mais de 10 mil manifestantes.

A reunião apontou a adesão dos servidores públicos às mobilizações já marcadas para os dias 22 e 29 de setembro. Nessas datas, os servidores farão protestos, atos públicos e paralisações em todo o país contra a retirada de direitos, o ajuste fiscal e pelo Fora Temer.

Eblin Farage, presidente do ANDES-SN, ressaltou que é importante o fortalecimento da unidade entre as diversas categorias dos setores públicos e privados e a participação ativa dos docentes da base do ANDES-SN nas mobilizações previstas para os dias 22 e 29 de setembro, em todo o país.

“O calendário de lutas contribui para a mobilização da nossa categoria, coloca em movimento a classe junto com outras categorias e é um passo importante para a construção da  greve geral no país, que precisa se dar pelas bases. E os professores irão se empenhar na construção de comitês de mobilização, junto com técnico-administrativos e estudantes, nas universidades públicas e institutos federais desse país. Assim como, fortalecer os fóruns de Educação Pública em cada estado e o Fórum dos Servidores Públicos, juntando servidores estaduais, municipais e federais. Precisamos parar o país para dizer que não aceitaremos nenhuma retirada de direito, nenhum retrocesso desse governo ilegítimo”, ressaltou a presidente do ANDES-SN.

Encaminhamentos
Após a fala de diversas entidades e centrais sindicais, Paulo Barela, representante da CSP-Conlutas, fez a leitura dos encaminhamentos aprovados, entre os quais está a construção de uma paralisação nacional na segunda quinzena de outubro. “É importante a mobilização e a unidade para a realização de um grande dia repleto de protestos por todo o país”, ressaltou Barela.

Além disso, a reunião incorporou, ao calendário de lutas do Fonasefe, o dia 22, com paralisações e atos públicos nos estados, e o dia 29, com protestos acompanhando a paralisação nacional dos metalúrgicos. “As atividades realizadas nessa Jornada de Lutas em Brasília são um impulso fenomenal para avançar na greve geral e na mobilização. Os atos foram extremamente positivos, com grande comparecimento, de caravanas de todo o país, que trouxeram mais de 10 mil pessoas para a Esplanada dos Ministérios dizendo não ao PLP 257, à PEC 241, às reformas da previdência e trabalhista, fora Temer”, ressaltou.

Avaliação
Para o tesoureiro do ANDES-SN e encarregado de relações sindicais da entidade, Amauri Fragoso de Medeiros, o Sindicato Nacional teve papel importante na construção da Jornada de Lutas e na ampliação da unidade entre as categorias do serviço público e demais categorias a classe trabalhadora, movimentos sociais e estudantis, que resultou em dois dias de mobilização em Brasília, extremamente positivos. Ele reforça que é fundamental a manutenção dessa unidade, para a construção da greve geral.
“A reunião ampliada avaliou que os dois dias de mobilização da jornada de lutas em Brasília foram muito positivos, e demonstram um fortalecimento da construção da unidade que mostra que estamos acertando na política para a construção da unidade entre os servidores públicos de todo o Brasil e da classe trabalhadora”, disse.

O diretor do ANDES-SN informou ainda que o Sindicato Nacional irá colocar em discussão, junto à base, a adesão à mobilização nas datas propostas pela Reunião Ampliada. “Nós tiramos que vamos trabalhar na construção da greve geral, tomando como referência dois dias de mobilização que terão importância fundamental nesse processo de construção que são o dia 22 e o dia 29 de setembro. É importante que a gente participe desse processo, mantendo as reuniões semanais do Fonasefe, na tentativa de que, na segunda quinzena de outubro, tenhamos a possibilidade de um primeiro dia de greve geral. Esse é um processo de construção que leva a um diálogo intenso com outras categorias”, explicou, acrescentando que, o processo de construção da mobilização com as demais categorias está se dando através da CSP-Conlutas e as demais centrais sindicais.

“A reunião aponta claramente que os servidores públicos do Brasil já estão mobilizados e podem já começar a discutir a greve no setor público. Mas é necessária essa articulação com a iniciativa privada para que possamos dar resposta a toda rapinagem dos direitos sociais, que se intensificou com o governo Temer. É importante ressaltar as linhas que estão dentro do processo de unidade que são a luta contra a PEC 241, o PLP 257, a reforma da previdência e a reforma trabalhista. Esses são aspectos importantes, que tem ainda como reboque o PLS 204 que irá ampliar a dívida pública através da emissão de debêntures por empresas estatais não dependentes”, completou.

 

Fonte: ANDES-SN